conecte-se conosco


Entretenimento

Atriz da série “Antônia”, Quelynah está desaparecida

Publicado

A atriz Quelynah, protagonista da série “Antônia”, de 2006, está desaparecida . Sua mãe, Cleusa Simão, esteve no “Balanço Geral” dessa sexta-feira (08) para fazer um apelo a filha, pedindo para que ela voltasse para casa.


Atroz e cantora Quelynah desapareceu na última semana após deixar a casa da família
Reprodução/Instagram

Atroz e cantora Quelynah desapareceu na última semana após deixar a casa da família

Cleusa contou que a filha sofre de depressão e na última semana disse que não conseguia mais viver em casa, e decidiu ir para a rua procurar um albergue para ficar. Desde então Quelynah , que nasceu Jaqueline Simão de Oliveira, não deu mais notícias.

Leia também: Sem contrato com a Globo, atores esquentam mercado de séries nacionais

A mãe também falou que ela não tem envolvimento com drogas, mas sofre de “surtos psiquiátricos”: “Posso te garantir que não é drogas. Ela está com surtos psiquiátricos fortes. Eu queria pedir ajuda, um lugar para ela fazer um tratamento porque em casa ela não vai se curar”, disse Cleusa.  

A atriz também foi uma das participantes da oitava edição do reality show “A Fazenda”, em 2015. Essa foi sua última aparição na TV. Sua mãe também contou que as dificuldades enfrentadas pela atriz na carreira estão entre os motivos que a levaram à depressão.

Leia mais:  Suzanna Freitas, filha de Kelly Key, impressiona com cover de sucesso da mãe

A cantora e atriz Negra Li, que participou de “ Antônia ” com Quelynah, também se pronunciou sobre o assunto no programa. Em um vídeo, ela elogiou a colega e se prontificou a ajudar: “Uma mente brilhante para compor, uma mulher forte. Muito palhaça, brincalhona, excelente mãe, brilhavam os olhos quando ela falava da filha”, comentou.

Leia também: Na “Fazenda” por um dia: como o reality funciona por trás das câmeras

Ela tem dois filhos, Mayah, de seu relacionamento com o rapper Thaíde, e Martin. Ela chegou a perder a guarda da filha por não conseguir sustenta-la, e em 2013 ela esteve no “A Tarde é Sua”, de Sonia Abrão, onde já mostrava sinais de depressão. Na época, ela desabafou sobre o desemprego e seus problemas pessoais, e recebeu ajuda do programa.

Leia também: “Dois Irmãos” engrossa lista de livros transformados em minisséries pela Globo

No Instagram, sua última publicação é de três dias atrás. Quelynah postou um vídeo onde aparece no estúdio trabalhando em uma gravação.

Leia mais:  Ticiane Pinheiro revela sexo de bebê durante chá revelação

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Filósofo esloveno vê antifeminismo em desfecho de Daenerys em “Game of Thrones”

Publicado

por

Slavoj Žižek, prestigiado filósofo esloveno, aproveitou o final de “Game of Thrones” para fazer uma crítica reflexiva, em sua Coluna no Blog Boi Tempo , sobre a última temporada da série e deixou claro a insatisfação, principalmente, com o desfecho de Daenerys (Emilia Clarke).

Leia também: George R. R. Martin fala sobre desfecho da série de livros de “Game of Thrones”


Game of Thrones
Divulgação

Daenerys em “Game of Thrones”

O pensador ressalta que a indignação pelo fim decepcionante de ” Game of Thrones ” é além do enredo ruim, mas também pela psicologia ruim, que transforma a personagem de  Emilia Clarke em Rainha Louca e, segundo ele, não se justifica em termos da trajetória da personagem.

Leia também: Os problemas com Bran, o quebrado, como Rei ao fim de “Game of Thrones”

filósofo  diz ainda que os espectadores insatisfeitos têm um problema com embate do conflito interno entre Daenerys e os Stark. “Ela combina a rejeição de uma transformação radical com um velho tema antifeminista verificado nas obras de Hegel, Schelling e Wagner”, escreve ele. 

Leia mais:  Robert Pattinson negocia com estúdio e deve ser o novo Batman

Slavoj ainda fez questão de criticar a postura que foi dada a personagem em seu diálogo com Jon Snow (Kit Harington). Segundo ele, o ponto mais baixo do diálogo é o momento em que a Mãe dos Dragões diz a Jon que se ele não consegue amá-la enquanto rainha, que reinaria o medo, classificando como um arquétipo embaraçosamente vulgar da mulher sexualmente insatisfeita que explode em fúria destrutiva.

Insatisfeito com o desfecho da personagem, principalmente com as explosões assassinas dela, ele reflete que tais ações são justificáveis quando o enredo é escrito por dois homens. “Rainha tresloucada é rigorosamente uma fantasia masculina”, garante Žižek.

Leia também: Como fica o hábito de ver séries depois do fim de “Game of Thrones”?

Ele ainda faz uma ponte entre Cersei (Lena Headey) e Daenerys, observando que, na série, ainda que a boa vença, o poder corrompe a mulher. Slavoj ainda cita o desaparecimento de Arya (Maisie Williams) e a permanência de Sansa (Sophie Turner), concluindo que marginalização das mulheres é um momento chave da lição liberal-conservadora geral do último episódio de ” Game of Thrones “.

Leia mais:  Inglesa Olivia Colman desbanca a favorita Glenn Close e leva Oscar de Atriz

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana