conecte-se conosco


Política

Assembleia Social finaliza projeto de psicoterapia na Escola Estadual Fenelon Müller

Publicado

Psicóloga também orienta responsáveis por adolescentes

Foto: KAREN MALAGOLI / ALMT

Foto: KAREN MALAGOLI / ALMT Fachada da Escola Fenelon Muller, na Grande CPA, em Cuiabá

Foto: KAREN MALAGOLI / ALMT

A adolescência já não é considerada uma fase fácil. São muitas transformações, busca pelo autoconhecimento, descobertas. E, para alguns, motivo de frustrações, aflições, que demandam, inclusive, ajuda profissional.

Para atender a esse público, a Assembleia Social promoveu, na ocasião do Setembro Amarelo (campanha de prevenção do suicídio) o projeto “Desabafe. Quem cala só sente!”, na Escola Estadual Fenelon Müller. Além de passar uma tarde com os alunos naquele mês, com especialistas de diferentes áreas da saúde mental, dispôs uma psicóloga para atendimentos.

O atendimento em psicoterapia foi oferecido pela psicóloga parceira Wisliene da Silva Cortez, de outubro a dezembro, e acolheu 43 adolescentes por dois métodos: plantão psicológico e atendimento em grupo. Dentre os que passaram por sessões individuais, 23 precisaram de mais de um encontro.

Segundo a psicoterapeuta, os casos mais registrados foram de automutilação (como cortes nos braços), ideação suicida e conflitos familiares. Dos 43 atendidos, dois precisaram ser encaminhados para a rede de atendimento em saúde mental do SUS – as unidades do Caps, um para tratamento de drogas e outro por crises psicológicas.

“Eu senti melhora entre os adolescentes. Houve um sentimento de coisa nova na vida deles, nenhum havia sido atendido por psicóloga antes. Os próprios alunos identificavam aflição nos colegas e indicavam para terapia”, conta a terapeuta Wisliene.

Leia mais:  Governo divulga calendário de pagamento do salário e 13º

Isabely Cristine Andrade de Souza, de 14 anos, foi uma das atendidas pelo projeto da Assembleia Social. Ela narrou que tinha crises de choro e atribuiu que era por ver os colegas em aflição e não saber como auxiliá-los. “Tive uma fase sensível, eu ajudava os outros e não me ajudava. E me sentia culpada quando não conseguia”.

Chegou a pensar em se matar, mas não se permitiu nenhuma atitude, porque, em sua religião, “o satanás ganharia”. Para afastar o pensamento, pensava nas pessoas que amava.

A adolescente teve três sessões de terapia com a psicóloga e considera que “saiu do fundo do poço”. “É difícil contar para alguém que está passando um momento ruim, mas ela foi me ajudando e hoje estou muito melhor”.

Outra adolescente, de mesma idade e também do 8º ano, Sulamitha Damares, chegou a cortar os próprios braços. “Eu me sentia sozinha, excluída, me sentia gorda, defeituosa, uma filha irresponsável, uma péssima aluna”, conta, narrando sua baixa autoestima.

Sulamitha foi vítima de bullying e passou a se considerar acima do peso (mesmo não sendo). Precisou, inclusive, ser atendida na UPA em função da automutilação. “Ela [a psicóloga] conversou comigo, me ajudou a me amar, a me respeitar e não sinto mais vontade de morrer. Hoje as pessoas podem até fazer bullying comigo, mas não sinto mais aquela angústia”, conta.

Leia mais:  Nota de Pesar a Francisco Pereira da Silva

Quando a psicóloga sentia necessidade, acionava os familiares para orientá-los em como proceder com os adolescentes. Marli* é tia de um dos alunos atendidos e tutora legal de um dos alunos, de 13 anos. “Ele sempre foi muito quieto, sempre num canto, se você não conversa com ele, não fala”, contou, creditando tais comportamentos a um abuso sexual do qual fora vítima na primeira infância. E, após conversar com a terapeuta, avalia que está mais preparada para lidar com o filho do coração.

A coordenadora pedagógica da escola, Maria de Lourdes de Figueiredo, enalteceu a parceria e destacou que foi visível a melhora no comportamento dos alunos. “Teve uma menina com muitas crises de choro e hoje eu a vejo alegre, feliz. Para nós [da escola], foi maravilhoso!”, comemora.

“Nós sabemos quão importante é saúde mental e respeitamos o trabalho dos profissionais dessa área. Ficamos muito felizes com o expressivo resultado do projeto aqui nesta escola, mesmo em pouco tempo, que estamos pensando em novos formatos para 2020. A ideia é seguir incentivando o autoconhecimento e a autoestima para todos os grupos, especialmente o de jovens, com tantos conflitos internos”, vislumbrou a diretora da Assembleia Social, Daniella Paula Oliveira.

* Sobrenome omitido para proteger o estudante.

Comentários Facebook
publicidade

Política

Deputado assina TAC e promete não realizar mais festas

Publicado

O deputado estadual Faissal Calil (PV) assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público Estadual (MPE) no qual se compromete a não realizar festas em sua residência, localizada no bairro Shangri-lá em Cuiabá, que excedam o volume de som permitido na “Lei do Silêncio”. O desrespeito à norma renderá multa no valor de R$ 3 mil.

“Se abster, a partir desta data, de produzir nos eventos realizados em sua residência ou sob sua responsabilidade, ruídos em níveis tais que possam resultar em danos à saúde humana”, diz o promotor 17ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural de Cuiabá, Gerson Natalício Barbosa.

 

De acordo com o TAC, chegou ao conhecimento da promotoria de Justiça que o deputado realizou uma festa para comemorar a vitória do vereador Marcus Brito Jr. (PV), que é seu aliado político. O termo de compromisso foi assinado no dia 15 de dezembro.

Ainda consta no documento que as celebrações são realizadas com frequência no local. “De acordo com a notícia, as festas organizadas pelo senhor Faissal Jorge Calil Filho são recorrentes e causam grande perturbação à vizinhança”.

Leia mais:  Nota de Pesar a Francisco Pereira da Silva

 

Veja vídeo da festa 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana