conecte-se conosco


Educação

Arduino Day Univag 2019 reúne estudantes e amantes da tecnologia de todo estado

Publicado

O Arduino é uma ferramenta para criar dispositivos eletrônicos que são controlados por um software escrito numa linguagem de programação

O Arduino Day Univag 2019 proporcionou aos amantes da tecnologia um sábado de muito aprendizado e inovação. O evento aconteceu no dia 16 de março no campus do Univag – Centro Universitário de Várzea Grande, com palestras de renomados especialistas em eletrônica, oficinas e exposição de projetos.

Este é o terceiro ano que o Arduino Day é co-organizado pelo Centro Universitário em parceria com o YouTube Arduino Brasil. Para o vice-reitor, professor Flávio Foguel, é muito gratificante poder proporcionar essa oportunidade não só aos alunos, mas também a toda comunidade interessada na plataforma Arduino.

“Enquanto instituição de ensino o evento está dentro da nossa filosofia educacional, de trabalhar inovação e estar sempre à frente e é essa filosofia que nos coloca na posição de destaque da qualidade que temos, não só no estado, mas também no país”, ressaltou.

Referência mundial na área de eletrônica, o professor Newton C. Braga abriu o evento falando da importância da plataforma Arduino. Com mais de 160 livros publicados em diversos países, Newton ressaltou que conhecimento não se guarda, conhecimento se compartilha.

Leia mais:  Dois milhões de candidatos do Enem 2018 já acessaram local de provas no cartão de confirmação

“No Arduino Day estudantes e interessados em eletrônica agregam conhecimentos com o uso da plataforma, que pode ser usada também na aplicação profissional de outros setores. É uma honra participar desse evento no Univag”, afirmou.

Um dos palestrantes, Waldyr Reis, trouxe a discussão sobre o Arduino e as Novas Tecnologias – Até quando podemos usar a plataforma em nossos projetos. “Esse é terceiro ano que venho no Univag ministrar uma palestra sobre o Arduino. O evento tem uma grande importância para a educação, quanto mais melhor, para despertar a curiosidade eletrônica nas pessoas”, disse.

O Arduino Day ainda contou com palestras dos especialistas em tecnologia Rodolpho Chrispim, Marcelo Maximiano e Andressa Siqueira. Além de seis oficinas simultâneas, onde alunos de diversas escolas competiram com projetos feitos por eles, com ajuda de professores e dicas de grupos da internet sobre Arduino.

“É a entrada para um novo universo, as mudanças estão acontecendo muito rápido e é preciso se atualizar para acompanhar. Para nós, do canal Arduino Brasil, é uma grande satisfação essa parceria com o Univag, que está sempre de portas abertas para nós”, destaca o presidente do canal do YouTube Arduino Brasil, Nascimento Junior”.

Leia mais:  Centro de Atendimento Anjos acolhe alunos e famílias com atendimento psicossocial

O Arduino é uma ferramenta para criar dispositivos eletrônicos que são controlados por um software escrito numa linguagem de programação específica que é instalada no computador. O programa é criado no computador e transferido para o dispositivo, que utiliza a placa Arduíno.

Confira as escolas que tiveram seus projetos premiados no Arduino Day UNIVAG 2019:

Categoria: Maker

1º Lugar – Escola Chave do Saber – ECSA

2º Lugar – Colégio Notre Dame de Lourdes

3º Lugar – Escola Estadual Professor José Mesquita de Carvalho

Categoria: Youtube

1º Lugar – Colégio Notre Dame de Lourdes

2ª Lugar – Escola Chave do Saber – ECSA

3º Lugar – Escola Estadual Professor José Mesquita de Carvalho

Comentários Facebook
publicidade

Educação

Juiz obriga Unic a matricular e não cobrar estudante de Medicina coberta pelo FIES

Publicado

por

O juiz Yale Sabo Mendes, da 7ª Vara Cível de Cuiabá, determinou que a Iuni Educacional S/A, dona da Universidade de Cuiabá (Unic), matricule e deixe de cobrar uma estudante de Medicina que tem cobertura do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A universidade tentava reajustar o valor da mensalidade, acima do limite do fundo, o que seria custeado pela aluna, que levou a questão à Justiça.

Pela decisão, a Unic não pode cobrar nada acima da mensalidade coberta pelo Fies, prevista no contrato. O magistrado também proibiu a instituição de incluir o nome de Gabrielly Menusi nos órgãos de proteção de crédito como SPC, Serasa, Pefin, Refin e similares. Caso já exista restrição de crédito, o nome da aluna deverá ser retirado em 24 horas sob pena de multa de R$ 500 por hora de descumprimento.

Gabrielly também tem 24 horas para realizar a matrícula do primeiro semestre de 2019. A universidade deve permitir que ela participe de todas as atividades acadêmicas, incluindo acesso aos ambientes físico e virtual de ensino, com recuperação integral de eventual falta ou nota pela falta de matrícula até o momento. En caso de descumprimento, outros R$ 500 de multa deverão ser aplicados por hora.

O juiz ponderou que existia risco ao resultado útil do processo pois, se não fosse concedida a liminar, a estudante teria o curso interrompido e “consequentemente a tão esperada habilitação profissional”.

Leia mais:  Professor da rede estadual e artista plástico se divide entre sala de aula e ateliê

O valor total financiado é de R$ 585 mil pelos 12 semestres do curso, sendo R$ 39 mil pelo segundo semestre de 2014, quando o contrato foi fechado, R$ 429 mil para custear os demais semestres e ainda R$ 117 mil reservados para eventuais reajustes no valor na mensalidade. A cada semestre o aluno deve fazer o aditamento do contrato anotando o valor financiado e mais a diferença a ser paga.

“Nesse passo,  verifica-se do documento juntado com a inicial denominado Aditamento não simplificado de contrato de financiamento, referente ao 2º Semestre/2018, a indicação do valor da mensalidade financiada pelo FIES e R$00,00 como valor a ser quitado com recursos próprios da parte autora, conferindo assim, verossimilhança à alegação declinada na exordial, no sentido que os valores cobrados não teriam suporte legal para cobrança, não havendo sequer neste momento de cognição sumária, como traçar qualquer parâmetro para as diferenças apontadas”, escreveu o magistrado.

Yale lembrou que é a Unic, por meio da Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA), quem deve “verificar e validar as informações prestadas pelo estudante” para dar início ao aditamento do contrato.

Leia mais:  Seduc realiza encontro Novembro Negro, Cidadão.

O magistrado ainda determinou a realização de audiência de conciliação entre as partes para que se chegue a um acordo. Por meio da assessoria, a Unic informa que não foi notificada sobre a decisão.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana