conecte-se conosco


Brasil / Mundo

Aprosoja-MT pede integração entre ministérios em prol do setor de produção de alimentos

Publicado

A preocupação com a defesa sanitária vegetal e a necessidade de integração entre os ministérios, que possuem atribuições que impactam no setor de produção alimentos, foram apresentadas pela diretoria da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) à nova equipe do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), nesta quinta-feira, em Brasília, em duas importantes audiências.

Logo pela manhã, o presidente da Associação, Antonio Galvan, se reuniu com o secretário de Defesa Vegetal, José Guilherme Tolstadium, para tratar da inclusão de novas tecnologias e biotecnologias no campo e o impacto para a defesa e qualidade dos grãos. De acordo com o presidente, há também uma preocupação do setor com a qualidade das sementes ofertadas no mercado atualmente e defendeu, junto ao Mapa, que seja ampliado o mínimo de germinação e que conste vigor nas sementes.

“São assuntos que impactam na produtividade e viabilidade da nossa produção e precisam entrar na pauta do Mapa o quanto antes. Na audiência também já adiantamos ao secretário que iremos solicitar a revisão da Instrução Normativa 011, que estabelece os critérios de classificação de grãos”, disse o presidente.

Leia mais:  Congresso Nacional aprova salário mínimo previsto de R$ 1.006

Acompanhado do diretor administrativo da Aprosoja-MT, Lucas Beber, do diretor-executivo da Aprosoja Brasil, Fabrício Rosa, e do consultor técnico da Aprosoja-MT, Wanderlei Dias Guerra, Galvan foi recebido pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, no início da tarde. Na pauta, além de reforçar os temas abordados com o secretário de Defesa Vegetal, outros assuntos considerados urgentes foram discutidos.

“Temos assuntos urgentes a serem definidos e pedimos à ministra que haja celeridade, e forte interlocução, junto ao presidente da República, especialmente no que diz respeito ao Funrural. Precisamos de uma solução e, enquanto não temos, que pelo menos seja prorrogado o prazo de adesão por meio de uma Medida Provisória. Além disso, temos questões técnicas, que ela como produtora se sensibiliza, como a calendarização do plantio de soja, que precisamos avançar”, afirmou o presidente da Aprosoja-MT.

Grande gargalo da produção agropecuária brasileira, a infraestrutura e a logística também foram tratadas pela diretoria. Para o presidente, é necessário que os ministros das áreas afins se unam para que haja avanços.           Em dezembro, a Aprosoja e o Movimento Pró-Logística realizaram mais um Estradeiro, que percorreu de forma contínua 5 mil quilômetros, passando pelas BR’s 15/8/155, 163 e a Transamazônica (a BR-230), verificando in loco da situação das principais rotas de escoamento dos grãos de Mato Grosso.

Leia mais:  Aliados de Erdogan rejeitam versão saudita para morte de jornalista.

“São temas que se arrastam há anos e colocamos para a ministra que é preciso unificar o discurso e as ações. Em Mato Grosso, onde teremos outra grandesafra de soja e, na sequência, de milho, é necessário a manutenção imediata de trechos da BR 163, além da conclusão de pavimentação em trechos da rodovia já no estado do Pará”, disse Galvan, lembrando que o tabelamento do frete também é uma pauta que deverá ser tratada com a mesma integração por diferentes ministérios.

 

 

 

Fonte: Ascom Aprosoja

Comentários Facebook
publicidade

Brasil / Mundo

6ª noite de ataques no Ceará tem explosão em ponte e ônibus incendiados

Publicado

por

Desde quarta-feira (2), ocorreram 159 ataques no estado e 170 pessoas foram detidas. Na segunda-feira (7), o governo do Ceará anunciou o reforço de mais 200 agentes da Força Nacional; 106 policiais desse efetivo extra já chegaram ao estado.

Ataques criminosos continuaram pela sexta noite seguida, nesta segunda-feira (7), no Ceará. Ônibus foram incendiados na capital e nos municípios de Aracati e Maranguape, na Grande Fortaleza. O carro de uma autoescola também foi queimado e um homem ficou ferido. Na madrugada desta terça-feira (8), foi registrada uma explosão em uma ponte no município de Caucaia.

Desde quarta-feira (2), ocorreram 159 ações que tiveram como alvo coletivos, prédios públicos, comércios e agências bancárias. Na quinta-feira (3), a Força Nacional foi chamada para reforçar a segurança e enviou, inicialmente, 300 agentes. Já nesta segunda, o governo anunciou que outros 200 policiais da Força Nacional seriam enviados para o estado devido à continuação dos ataques. Pelo menos 106 agentes desse efetivo extra já chegaram ao Ceará para atuar nas ruas.

O governador Camilo Santana informou nesta terça que a polícia capturou 170 pessoas envolvidas nos crimes. Vinte prisões ocorreram nas últimas horas, segundo o governador. “Outras [pessoas] estão em investigação e poderão ser presas a qualquer momento”, disse.

A onda de ataques coordenada por chefes de facções criminosas teve início depois que o secretário da Administração Penitenciária do Ceará, Luís Mauro Albuquerque, prometeu uma fiscalização mais rigorosa nas prisões e o fim da divisão de detentos segundo a facção criminosa à qual pertencem.

Até recentemente, o Ceará não tinha uma pasta específica dedicada aos presídios – antes, eles estavam sob responsabilidade da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), hoje extinta. A Secretaria da Administração Penitenciária foi anunciada apenas em 1º de janeiro deste ano, quando tomou posse o governador reeleito, Camilo Santana. Ao criar o órgão, o governador declarou a intenção de dar mais atenção à segurança, área que ele considera um dos desafios do novo mandato.

Leia mais:  Caravana com 7 mil avança, e Trump anuncia corte de ajuda a centro-americanos

Ações na capital

Na noite desta segunda, em Fortaleza, dois ônibus foram incendiados na região da Grande Messejana. O primeiro caso aconteceu por volta das 21h, no Bairro Pedras. Já o segundo foi registrado às 22h, na Rua Joaquim Machado, no Bairro Parque Santa Rosa. Não há informações sobre feridos.

Na madrugada desta terça, os ônibus do transporte público foram recolhidos devido aos crimes. Durante a manhã, os veículos voltaram a circular, mas desviando a rota para evitar os locais onde os ataques são mais comuns.

O carro de uma autoescola também foi incendiado em Fortaleza. O instrutor, que estava no veículo, teve queimaduras e foi levado para um hospital.

Criminosos tentaram explodir uma ponte na cidade de Caucaia durante a madrugada desta terça-feira — Foto: Kilvia Muniz/Sistema Verdes MaresCriminosos tentaram explodir uma ponte na cidade de Caucaia durante a madrugada desta terça-feira — Foto: Kilvia Muniz/Sistema Verdes Mares

Criminosos tentaram explodir uma ponte na cidade de Caucaia durante a madrugada desta terça-feira — Foto: Kilvia Muniz/Sistema Verdes Mares

Ataques na Região Metropolitana

Na madrugada de terça, segundo a Polícia Militar, criminosos explodiram uma bomba na Ponte dos Tapebas, situada na BR-222, no município de Caucaia. O ataque ocorreu por volta das 2h e danificou parte da estrutura.

Na cidade de Maranguape, na Região Metropolitana de Fortaleza, um micro-ônibus que fazia a linha Pau Serrado/Tabatinga foi incendiado durante a noite, na rodovia CE-065. O trânsito no local ficou congestionado. De acordo com a Polícia Militar, os suspeitos fugiram.

Na segunda, lojas foram fechadas na Grande Fortaleza após ameaça de criminosos. Em Chorozinho, município a cerca de 70 km de Fortaleza, houve ataque a lojas na madrugada de segunda. Além de incêndios, os criminosos passaram pelas ruas atirando contra diversos pontos comerciais.

Leia mais:  Médium diz que jogador está arrependido.

No interior do estado

Em Aracati, a 150 km da capital, um ônibus foi incendiado próximo à rodoviária, na Rua Coronel Alexandrino, na noite desta segunda. O fogo teve início por volta das 23h, quando moradores chamaram o Corpo de Bombeiros. O veículo ficou destruído.

Motivação dos ataques

Loja de revenda de motocicletas foi atacada na madrugada desta segunda-feira, no bairro Couto Fernandes, em Fortaleza — Foto: José CruzLoja de revenda de motocicletas foi atacada na madrugada desta segunda-feira, no bairro Couto Fernandes, em Fortaleza — Foto: José Cruz

Loja de revenda de motocicletas foi atacada na madrugada desta segunda-feira, no bairro Couto Fernandes, em Fortaleza — Foto: José Cruz

De acordo com o secretário da Segurança Pública do Ceará, André Costa, a nomeação do novo secretário de Administração Penitenciária do estado, Luís Mauro Albuquerque, provocou a onda de ataques. Costa disse que “a criminalidade já conhecia o trabalho” do novo gestor da pasta que administra os presídios do Ceará.

A sequência de ações criminosas ocorreu após uma fala de Mauro Albuquerque, que prometeu fiscalizar com mais rigor a entrada de celulares nos presídios. Desde o início da onda de crimes, agentes penitenciários apreenderam 407 aparelhos em presídios.

Após os ataques, um dos chefes de uma facção criminosa foi transferido para um presídio federal. Dezenove detentos também devem ser levados para outras unidades prisionais nos próximos dias.

De acordo com uma fonte do Serviço de Inteligência da Secretaria da Segurança ouvida pelo G1, membros de duas facções rivais fizeram um “pacto de união”, com o objetivo de “concentrar as forças contra o Estado”. Em pichações em prédios públicos de Fortaleza, criminosos escreveram que “não vão parar até o secretário sair”. “Fora Mauro Albuquerque”, diz a mensagem.

Por G1 CE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana