conecte-se conosco


Mato Grosso

Academia da PM inicia Curso Superior de Polícia para 45 oficiais

Publicado

Ocorre nesta quarta-feira (31.10), no auditório da Procuradoria Geral de Justiça, às 8h30, a aula inauguração do Curso Superior de Polícia (CSP), uma especialização Lato Sensu em ‘Política Estratégica e Desenvolvimento Regional Aplicado à Segurança Pública’ ofertada pela Polícia Militar de Mato Grosso, por meio da Academia Costa Verde.

Destinado a oficiais do posto de tenente-coronel, essa edição o curso terá 45 alunos, sendo 31 da PMMT e 14 do Corpo de Bombeiro. O curso visa ofertar aos oficiais as condições necessárias para galgar o posto mais alto das instituições militares, o de coronel, capacitando-os a exercer com excelência as atividades de comando, planejamento, gestão, controle, e, sobretudo, nos processos de tomada de decisões complexas, da área da Segurança Pública.  

O curso terá carga horária total de 390h/aulas, com previsão de encerramento no mês de abril de 2019. Essa especialização segue matriz curricular nacional da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), e as disciplinas abordam temas atuais regionais e nacionais (polícia, social, direito, ética e cidadania, entre outros).

Leia mais:  FCO Rural ainda tem R$ 246 milhões para crédito para o agronegócio

PALESTRA

Na abertura, o promotor de Justiça e professor da Faculdade de Direito da UFMT, Antônio Sérgio Cordeiro Piedade, ministrará palestra sobre ‘Criminalidade Organizada e Política Criminal Contemporânea’. 

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Pesquisa da Unemat avalia efeito da variação de temperatura sobre a pressão arterial

Publicado

por

Considerada a epidemia do milênio, a doença renal crônica tem como principais causas a pressão arterial alta e a diabetes. É sabido que o descontrole da pressão arterial está presente em até 90% dos pacientes em hemodiálise, e muitos estudos apontam a influência dos fatores meteorológicos na pressão arterial. O perfil dos pacientes renais crônicos é composto, em sua maioria, por homens, idosos, hipertensos e que fazem uso de vários medicamentos para o controle da pressão alta.

Quando a enfermeira nefrologista Shaiana Vilella Hartwig fez a revisão bibliográfica para a sua tese de doutorado, “Fatores Meteorológicos e as alterações na pressão arterial e laboratorial dos pacientes em hemodiálise no Pantanal Mato-Grossense”, descobriu que não havia quantificação do efeito da temperatura sobre a pressão arterial dos pacientes em hemodiálise e, consequentemente, para pessoas em hemodiálise em clima tropical, como é o caso do Brasil.

A pesquisadora constatou que outras variáveis clínicas também influenciam na pressão arterial, e esses dados serviram de ajuste para descobrir o efeito da temperatura.

Shaiana é professora no curso de Enfermagem da Universidade de Mato Grosso (Unemat), em Cáceres, e leciona disciplinas de Epidemiologia, Saúde do Trabalhador, Bioestatística e Evolução do Trabalho em Enfermagem e ainda é membro do projeto Mudanças Climáticas e Saúde Humana da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Leia mais:  Sefaz cassa inscrição estadual de empresas do setor de sucatas por fraude

O efeito encontrado por ela aponta que “para o aumento de cada 1ºC na temperatura média externa, diminui em 0,73 mmHg (milímetro de mercúrio) a pressão arterial sistólica e 0,28 mmHg a pressão diastólica e o inverso também é verdadeiro. Se a temperatura diminuir 1ºC, aumentará 0,73 mmHg de pressão arterial sistólica e 0,28 mmHg na diastólica”.

Quer dizer, a cada 1 grau que a temperatura ambiente externa esquenta, a pressão arterial do indivíduo se torna mais baixa e a cada 1 grau que a temperatura esfria, a pressão arterial do indivíduo se torna mais alta.

Segundo a pesquisadora, a determinação do efeito da temperatura ambiente em graus sobre a pressão arterial dos pacientes em hemodiálise passa a oferecer aos profissionais de saúde referência para o controle da mudança da pressão arterial em função da temperatura.

E o quadro piora quando se leva em conta que a maior dificuldade no tratamento do paciente em hemodiálise é o controle da pressão arterial, e devido às mudanças climáticas a temperatura do ar está aumentando de uma maneira jamais vista. As variações de temperatura diárias são em média de 5 a 9 ºC em países de clima tropical.

Leia mais:  Balanço do mutirão na aldeia indígena Halataikwa é apresentado em encontro nacional

Em Cáceres e nos outros municípios do bioma Pantanal a amplitude térmica é ainda maior, variando na média de 9,7ºC em um único dia, podendo chegar à máxima de 17°C de variação.

De acordo com a pesquisadora, o perigo mora nessas oscilações de temperatura. “Para pacientes em hemodiálise as alterações de pressão, tanto para alta como para baixa, são prejudiciais, por conta da sobrecarga cardíaca, o que pode levar a internações e à morte”, explicou Shaiana, que também ressaltou a importância de que sejam tomadas medidas de controle climático.  

Ela aconselha atenção e cuidados junto aos pacientes renais crônicos em hemodiálise para mudanças na temperatura. “É importante controlar mudanças bruscas, manter o paciente aquecido nos dias frios e controlar a temperatura interna do ambiente nos dias de calor”, esclareceu Shaiana.

Hemodiálise

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana